Igreja Global: Aprendendo com o Mundo Majoritário, Cristãos Indígenas e Cristãos da Diáspora

Nov 29, 2018 | Culture, Diaspora, Ethnic Diversity, Indigenous Peoples, Portuguese, Postcolonialism, Race Relations, World Christianity | 0 comments

O Mundo Majoritário e as igrejas indígenas e da diáspora estão redefinindo o cristianismo do século XXI. Aqueles de nós que são cristãos ocidentais devem decidir como vamos responder.

O Mundo Majoritário e as igrejas indígenas e da diáspora estão redefinindo o cristianismo do século XXI.

Stephen Bevans escreve:

Estamos agora vivendo em uma “igreja mundial”, onde a grande maioria dos cristãos é [do Mundo Majoritário]. Os estudos estatísticos de David Barrett confirmaram essa mudança, e Philip Jenkins previu que em 2025, dois terços dos cristãos viverão na África, na América Latina e na Ásia. Os acadêmicos são unânimes em reconhecer a exatidão dos fatos. O “cristão comum” hoje é mulher, negra e mora em uma favela brasileira ou em uma aldeia africana.

Algumas estatísticas ilustram essa mudança no cristianismo global do século XXI. O relatório Cristianismo Global do Pew Research Center analisa o tamanho e a distribuição da população cristã mundial. O relatório mapeia as mudanças no último século (1910 a 2010). Ele conclui: “Há um século, o Norte Global (geralmente definido como América do Norte, Europa, Austrália, Japão e Nova Zelândia) continha mais de quatro vezes mais cristãos do que o Sul Global (o resto do mundo). Hoje, segundo o estudo do Fórum Pew, mais de 1,3 bilhões de cristãos vivem no Sul Global [61% de todos os cristãos vivem na Ásia, África e América Latina], em comparação com cerca de 860 milhões no Norte Global (39%).” Essa é uma mudança impressionante em apenas cem anos.

Vamos pegar a China, por exemplo. O professor Fenggang Yang, da Purdue University, faz uma importante previsão. Se as atuais taxas de crescimento continuarem, dentro de uma geração a China terá mais cristãos do que qualquer outra nação na Terra. Em 1949, as igrejas protestantes na China tinham um milhão de membros. Em 2010, esse número era de 58 milhões. Até 2025, é provável que haja 160 milhões de cristãos na China. Em 2030, é provável que sejam 247 milhões (superando os cristãos no México, no Brasil e nos Estados Unidos).

Em uma entrevista ao The Telegraph, Fenggang Yang diz: “Mao pensou que poderia eliminar a religião. Ele achou que tinha conseguido isso. É irônico—isso não aconteceu. Essa ideia realmente falhou completamente.”

Philip Jenkins diz:

Vivemos atualmente um dos momentos transformadores da história da religião em todo o mundo. Nos últimos cinco séculos, a história do cristianismo tem estado inextricavelmente ligada à da Europa e das civilizações derivadas da Europa no exterior, sobretudo na América do Norte. Até recentemente, a esmagadora maioria dos cristãos vivia em nações brancas… No último século, no entanto, o centro de gravidade do mundo cristão mudou inexoravelmente para longe da Europa, para o sul, para a África e América Latina e para o leste, em direção à Ásia. Hoje, as maiores comunidades cristãs do planeta podem ser encontradas nessas regiões.

Quem são os cristãos do Mundo Majoritário, os Cristãos Indígenas e os Cristãos da Diáspora?

Então, de quem eu estou falando quando me refiro ao Mundo Majoritário e aos cristãos indígenas e da diáspora?

1. Cristãos do Mundo Majoritário

Eu uso o termo “Mundo Majoritário” como um substituto melhor para os termos mais antigos “Terceiro Mundo” ou “Mundo em Desenvolvimento” ou “Mundo Não-Ocidental”. Os Cristãos do Mundo Majoritário são os da África, Ásia, Caribe, Europa Oriental, América Latina, Oriente Médio e Oceania. Eu uso o termo Mundo Majoritário porque a maioria da população mundial está nessas culturas hoje. A maioria da igreja também está nessas culturas. Eu não uso os termos não-ocidentais, terceiro mundo ou países em desenvolvimento. Esses termos usam as culturas ocidentais como seu ponto de referência. Eles implicam superioridade ou centralidade ocidental. O termo Sul Global também é muito limitante, dado que muitos Cristãos do Mundo Majoritário vivem no Norte e no Oriente. Mundo Majoritário parece ser o termo que funciona melhor.

2. Cristãos Indígenas

Os cristãos indígenas e das Primeiras Nações são crentes “daqueles grupos étnicos que eram indígenas em um território antes de serem incorporados a um estado nacional e que são política e culturalmente separados da identidade étnica majoritária do Estado do qual fazem parte”. Isso inclui grupos de pessoas como os Aborígenes Australianos e os Ilhéus do Estreito de Torres, os povos das Primeiras Nações e os nativos americanos.

3. Cristãos da diáspora

Os povos da diáspora são aqueles que se espalharam ou se dispersaram de sua terra natal. Cristãos da diáspora ou cristãos imigrantes estão tendo uma influência significativa na forma como o cristianismo ocidental e mundial se apresentam. Eles incluem minorias hispânicas, portuguesas ou asiáticas nos EUA, Reino Unido, Canadá, Europa, Austrália e muito mais. É interessante, por exemplo, observar como as diásporas latino-americanas e chinesas são ativas no evangelismo e na missão na Europa, da mesma forma que as diásporas filipinas ou salvadorenhas realizam missões nos EUA.

Libertando o Evangelho do Cativeiro Cultural do Ocidente Branco

O que tudo isso significa para a missão, para a teologia, para o culto e para as comunidades da igreja em todo o mundo? E o que significa especialmente para a igreja ocidental?

Recentemente, eu tive o prazer de fazer uma entrevista filmada com Lamin Senneh na Yale Divinity School. A entrevista foi para o The GlobalChurch Project. O GlobalChurch Project filma centenas de cristãos inspiradores da Ásia, África, América Latina, nas Primeiras Nações, nas culturas de diáspora e mais, em missão, na igreja, na fé e na teologia.

Naquela entrevista, Lamin ofereceu um desafio impressionante à igreja ocidental. Aqui está minha paráfrase do que ele disse: Nós, no Ocidente, somos pessoas confiantes e articuladas. A teologia nos serviu bem como um veículo de nossas aspirações, desejos e objetivos. Não há escassez de livros teológicos sobre todos os tipos de assuntos imagináveis. Há manuais de instrução instruindo-nos sobre o ministério eficaz. Esses manuais nos dizem como consertar nossas emoções. Eles afirmam nossa identidade individual e promovem nossas escolhas e preferências. Eles nos dizem como mudar a sociedade pela ação política. Eles nos mostram como arrecadar fundos e construir igrejas maiores. Eles nos ensinam a investir em coalizões estratégicas. Toda essa linguagem nos deixa pouco tempo ou espaço para ouvir a Deus.

E se Deus tem algo a mais a nos dizer? E se essa outra coisa desafia o que queremos ouvir? No entanto, sem reciprocidade na vida moral e espiritual, sem ouvir e responder às intimações do Espírito é difícil ver como Deus pode se destacar nas vidas de homens e mulheres modernos.

A desocidentalização do cristianismo ajuda a abordar o cativeiro cultural ocidental do evangelho.

O Evangelho sofre de uma espécie de cativeiro cultural no Ocidente. O que é “cativeiro cultural branco”? Em essência, é quando a igreja molda sua compreensão do evangelho e da fé cristã em torno da cultura ocidental branca. O evangelho (e também nosso culto, oração, missão, teologia e fé) torna-se então “cativo” às ideias e culturas ocidentais brancas. O caminho para libertar o evangelho deste “cativeiro ocidental branco” é começar a ouvir e aprender com (e honrar) ideias e teologias da Ásia, África, Oriente Médio, América Latina, etc. Em outras palavras, nós só escaparemos do “cativeiro ocidental branco” quando nos tornamos uma igreja verdadeiramente global que homenageia igualmente todas as culturas e teologias cristãs (e não apenas as brancas, masculinas e ocidentais).

A renovação do cristianismo mundial tem lições para nos ensinar a todos. A desocidentalização do cristianismo pode, se permitirmos, ajudar-nos a abordar o cativeiro cultural ocidental do Evangelho. Graças à graça, ao poder e à soberania do Espírito de Cristo, essa desocidentalização da igreja global pode nos ajudar a encontrar a liberdade de nosso cativeiro cultural. O surpreendente crescimento e vitalidade dos movimentos no cristianismo mundial tornarão essa verdade ainda mais evidente para nós, nas décadas seguintes.

Abraçando uma nova história

Uma igreja missionária compromete-se com a diversidade e a multietnicidade. Ela é ativa em missão em seu contexto local. E está atenta ao que Deus está fazendo globalmente. Então, precisamos de uma igreja local-global ou “glocal”. Deus chama a igreja para ser uma “cidade sobre uma colina” glocal e missionária e multiétnica. Esta é uma igreja constituída e enriquecida pelos povos indígenas e ocidentais e da diáspora e do Mundo Majoritário.

A igreja global precisa de uma nova narrativa. É hora de abandonar nossas imperfeitas visões de mundo eurocêntricas e americocêntricas. Somos “eurocêntricos” ou “americocêntricos” quando nos concentramos nas culturas, histórias ou teologias europeias ou norte-americanas, excluindo uma visão mais ampla da fé e do mundo; muito frequentemente em relação às culturas europeias ou norte-americanas como mais importantes do que outras culturas.

No Ocidente, o Evangelho e nossas igrejas sofrem de cativeiro cultural ocidental e branco. Esse cativeiro cultural nos cegou em grande parte para o que Deus está fazendo no mundo e o que ele está dizendo para nós. Esse cativeiro cultural molda uma missão de forma homogênea e uma teologia de forma eurocêntrica. Ele determina que nossa liderança da igreja seja monocultural e que nossos sistemas confessionais sejam ultrapassados. Ele forma uma espiritualidade individualista e um culto consumista. Ele reforça nosso senso de excepcionalidade. Ele solidifica muitas abordagens opressivas e antievangélicas de gênero, etnia, riqueza e migração. Ele influencia nossas abordagens para grupos de pessoas vulneráveis e marginalizadas.

Este cativeiro cultural habita e molda as histórias que contamos. Contamos histórias uns aos outros, mas são principalmente nossas próprias histórias. Elas geralmente são brancas, ocidentais, de classe média, educadas, privilegiadas, americocêntricas e (principalmente) masculinas. Precisamos de uma nova narrativa. A grande maioria da igreja global hoje não é branca, ocidental, masculina e de classe média. E o surpreendente crescimento do cristianismo mundial não está acontecendo nesses lugares. Está acontecendo em culturas fora do Ocidente. Está acontecendo entre mulheres, crianças e pessoas de cor. Onde há crescimento e vitalidade em ambientes ocidentais, geralmente é entre igrejas da diáspora e de imigrantes. Como Stephen Bevans diz: Hoje, o cristão comum é mulher, negra e vive na África ou na Ásia.

Precisamos de uma nova história global, multiétnica e missionária – uma que abranja toda a igreja mundial. Muitas congregações ocidentais brancas estão lutando para chegar a um acordo com sua cultura pluralista pós-cristandade. Elas estão chegando a um acordo com a mudança do poder para a impotência, do centro para as margens e do privilégio para a pluralidade. O crescente número de pessoas “religiosamente não afiliadas” as aterroriza. Mas muitas comunidades cristãs no Mundo Majoritário e nos contextos da diáspora e dos indígenas têm lutado com questões de marginalidade por gerações. Marginalização, pluralismo religioso, perseguição e alienação têm sido a sua sina. No entanto, de alguma forma, apesar disso ou por causa disso, elas floresceram. Na verdade, elas cresceram exponencialmente!

Devemos nos voltar para as igrejas do Mundo Majoritário e culturas indígenas e da diáspora. Os cristãos dessas culturas nos ajudam a redescobrir o que significa ser sal da terra, a luz do mundo e a cidade edificada. Eles nos convidam para conversas missionárias locais-globais. Para fazer isso, nós, como cristãos ocidentais, devemos entrar em conversas com o Mundo Majoritário e os cristãos da diáspora e os cristãos indígenas. Eles têm muito a nos ensinar. Ouvir os outros nos ajuda a crescer em nossa compreensão e prática da missão, da igreja e da teologia.

Por muito tempo, a igreja tem sido eurocêntrica e americocêntrica. E nós marginalizamos ou ignoramos o Mundo Majoritário, os cristãos da diáspora e as vozes indígenas. É hora de ouvir vozes asiáticas, africanas, latino-americanas, do Oriente Médio, indígenas e outras do Mundo Majoritário. Essas vozes do Mundo Majoritário estão surgindo e redefinindo nosso entendimento da teologia, igreja e missão. Muitas igrejas do Mundo Majoritário, da diáspora e dos indígenas têm extraordinária vitalidade missionária e teológica. A abertura para essas vozes precisa acontecer agora. Nós só refletiremos o coração de Deus e sua missão quando buscarmos conversas globais e honrarmos a igreja global como um todo.

Espero que, nas próximas décadas, ouçamos os pensamentos e práticas dos pensadores africanos, asiáticos, caribenhos, da Europa Oriental, da Oceania, do Oriente Médio, da América Latina, da Primeira Nação e dos povos indígenas. Estes nos desafiam a examinar nossas teologias, missões e igrejas. Eles nos inspiram a renovar o culto, a comunidade e a missão da igreja de Jesus. Eles nos estimulam a pensar de maneiras novas sobre o que significa ser o sal da terra, a luz do mundo e a cidade edificada. Eles nos ajudam a nos tornar uma igreja missionária global—uma igreja verdadeiramente global.

Sendo a nova humanidade em Jesus Cristo (Efésios 2:11–22)

A igreja é uma nova humanidade composta de cada tribo, língua, povo e nação. A igreja deve cultivar uma existência social distinta que testemunhe essa nova humanidade. A igreja molda sua comunidade e missão em torno de seu compromisso com a pluralidade, a diversidade, a unidade e a multietnicidade.

A igreja deve ser a nova humanidade em Cristo: plural, diversificada e multiétnica.

O cristianismo ocidental tem muito a oferecer às igrejas do Mundo Majoritário. Temos tremendos recursos teológicos, institucionais, financeiros, culturais, intelectuais, artísticos e outros. Estes podem abençoar a igreja global. E as igrejas do Mundo Majoritário e da diáspora e das culturas indígenas também podem nos ajudar—elas são um presente para a igreja global. Elas nos desafiam a reimaginar nossa missão, liderança, hospitalidade, cuidado de criação, educação, culto, discipulado e muito mais.

A desocidentalização da igreja global oferece novas oportunidades para conversas globais (e locais), missões renovadas e igrejas revitalizadas. Ela nos desafia a abraçar a nova humanidade oferecida em Jesus Cristo.

Deus chama a sua igreja para ser a “nova humanidade em Jesus Cristo”. Revelações oferecem uma bela visão deste novo povo: “Depois destas coisas olhei, e vi uma grande multidão, que ninguém podia contar, de todas as nações, tribos, povos e línguas, que estavam em pé diante do trono e perante o Cordeiro, trajando compridas vestes brancas, e com palmas nas mãos. Clamavam com grande voz: Salvação ao nosso Deus, que está assentado no trono, e ao Cordeiro. Todos os anjos estavam em pé ao redor do trono e dos anciãos e dos quatro seres viventes, e prostraram-se diante do trono sobre seus rostos, e adoraram a Deus, dizendo: Amém. Louvor, e glória, e sabedoria, e ação de graças, e honra, e poder, e força ao nosso Deus, para todo o sempre. Amém!”

 

Graham Hill

Graham Hill (PhD) is the Founding Director of The GlobalChurch Project – www.theglobalchurchproject.com. He is Senior Lecturer at the University of Divinity. In July 2019, Graham begins in the role of Research Coordinator at Stirling Theological College (University of Divinity). Graham has written 6 books. His latest three books are “Global Church: Reshaping Our Conversations, Renewing Our Mission, Revitalizing Our Churches” (InterVarsity Press, 2016), “Salt, Light, and a City, Second Edition: Ecclesiology for the Global Missional Community: Volume 1, Western Voices” (Cascade, 2017), and a co-authored book with Grace Ji-Sun Kim called “Healing Our Broken Humanity: Practices for Revitalizing the Church and Renewing the World” (InterVarsity Press, 2018)

© 2018 All rights reserved. Copying and republishing this article on other Web sites, or in any other place, without written permission is prohibited.

[1] This blog post is a extract from my new book: Graham Hill, Globalchurch: Reshaping Our Conversations, Renewing Our Mission, Revitalizing Our Churches (Downers Grove, IL: IVP Academic, 2016).

[2] Stephen B. Bevans, Roger Schroeder, and L.J. Luzbetak, “Missiology after Bosch: Reverencing a Classic by Moving Beyond,” International Bulletin of Missionary Research 29, no. 2 (2005). 69.

[3] Pew Research Center. Global Christianity: A Report on the Size and Distribution of the World’s Christian Population. http://www.pewforum.org/2011/12/19/global-christianity-exec/

[4] See David B. Barrett, George T. Kurian, and Todd M. Johnson, World Christian Encyclopedia: A Comparative Survey of Churches and Religions in the Modern World, 2nd ed., 2 vols. (New York, NY: Oxford University Press, 2001). 12–15, and http://www.globalchristianity.org

[5] http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/asia/china/10776023/China-on-course-to-become-worlds-most-Christian-nation-within-15-years.html.

[6] P. Jenkins, The Next Christendom: The Coming of Global Christianity, 3rd ed. (Oxford: Oxford University Press, 2011). 1.

[7] Douglas Sanders, “Indigenous Peoples: Issues of Definition,” International Journal of Cultural Property 8, no. 1 (1999). 4.

[8] Bevans, Schroeder, and Luzbetak, “Missiology after Bosch.” 69.

[9] S.M. Murray, Post-Christendom: Church and Mission in a Strange New World (Carlisle: Paternoster, 2004).

[10] Barry A. Harvey, Another City: An Ecclesiological Primer for a Post-Christian World (New York, NY: Trinity, 1999). 23­–25.

[11] Revelation 7:9–11.

0 Comments

Submit a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

0 Comments

Submit a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Want to be mentored?

Want to be mentored into a slower, deeper, and fuller discipleship, ministry, and life?

 

Books

Don't forget to buy Graham Hill's books:

  1. Healing Our Broken Humanity
  2. Global Church
  3. Salt, Light, and a City (second edition)

 

CONNECT WITH US

FOLLOW US ON SOCIAL NETWORKS

Join our mailing list now for FREE resources

You have successfully subscribed! Get 100+ free videos here: https://theglobalchurchproject.com/videos/

Share This